quarta-feira, 25 de abril de 2018

ANO B – QUINTO DOMINGO DA PÁSCOA – 29.04.2018


Jesus precisa de nós para tornar o mundo mais humano!
A liturgia do quinto domingo da páscoa é inteiramente iluminada pela bela imagem da videira e dos ramos. Mas é importante lembrar o contexto literário desta bela metáfora: ela dá continuidade à catequese que Jesus desenvolve no contexto da última ceia e do lava-pés, ao profundo e exigente diálogo pedagógico no qual ele, como Mestre, passa e repassa com intensidade e cordialidade aspectos centrais do seu ensino e do testamento que deixa aos seus Discípulos. O ambiente está menos para poesia e mais para testamento, para a comunicação da sua vontade última mais profunda.
Jesus começa apresentando a si mesmo como a verdadeira videira. Portanto, ele não apenas toma a tradicional metáfora da videira e a aplica a si mesmo, mas se contrapõe e toma o lugar de uma outra videira potencialmente falsa. Qual é a videira não-verdadeira, aquela que é ultrapassada por Jesus? É Israel, no seu sentido de unidade política e religiosa. Através do profeta Jeremias Deus diz, dirigindo-se a Israel: “Eu havia plantado você como lavoura especial, com mudas legítimas. E como é que você se transformou em ramos degenerados de vinha sem qualidade?” (Jr 2,21; cf.  Is 5,1-7; cf. Ez 19,10-12)
Um segundo aspecto que Jesus sublinha é sua relação com os discípulos. Essa relação é ilustrada pelo vínculo entre a cepa da videira e os seus ramos. Trata-se de uma relação de recíproca dependência: a cepa só pode frutificar através dos ramos, e os ramos, por sua vez, só produzem frutos se permanecem ligados à cepa. “Fiquem unidos a mim e eu ficarei unido a vocês... Porque sem mim vocês não podem fazer nada.” Da mesma maneira que a videira necessita dos ramos para produzir uva, Jesus Cristo necessita hoje das nossas ações concretas para amar, servir e libertar.
Por outro lado, como os ramos nada podem e nada produzem sem a seiva que lhes vem gratuitamente da cepa, assim também os discípulos de Jesus pouco conseguem fazer de bom e duradouro se não permanecerem profunda e radicalmente ligados a Jesus Cristo. E essa união não se dá apenas no nível dos sentimentos ou dos pensamentos, ou da doutrina e da forma, mas da atitude de fundo e da ação. Mais ainda: é a identificação com seu dinamismo de encarnação e com o dom total na ceia e na cruz. É na força dessa união que podemos ser sinais de ressurreição, promotores da Justiça e defensores da democracia, livres do engodo das falsas lutas contra a corrupção. Sem isso seremos como ramos estéreis.
Um terceiro aspecto ressaltado pela alegoria da videira é o seguinte: para que produza frutos bons e abundantes, esse vínculo dos discípulos com Jesus Cristo, como a inserção do ramo na cepa, não é um dado estático, algo automático ou tranquilo, mas um processo ativo e vivo que conhece exigências e requer decisões, um dinamismo de permanente limpeza e poda. Não podemos esquecer que a páscoa, antes de ser uma vitória olímpica sobre a morte, é o dom livre e exigente de si mesmo e a descida aos escuros corredores da morte. “Os ramos que dão fruto, o Pai os poda para que deem mais frutos ainda.”
E é bom lembrar que, na cultura da uva, a prática da poda tem como objetivo eliminar os fatores de debilitação e de morte e, ao mesmo tempo, direcionar as energias para os frutos. E há também o corte dolorido e violento para enxertar o ramo numa cepa comprovadamente boa... Para o discípulo, o seguimento dos passos de Jesus Cristo na ceia, no lava-pés e na cruz que leva à ressurreição é um caminho de progressiva inserção numa comunidade de irmãos e irmãs e de conversão do ‘eu’ ‘nós’. E sempre sem perder de vista que o objetivo dessa espécie de poda são os frutos...
Embora já saibamos, é bom recordar também que ficar unido a Jesus Cristo ou permanecer nele não significa simplesmente frequentar o culto ou a missa assiduamente. Quando Jesus pede ‘fiquem unidos a mim’, está insistindo que mantenhamos e aprofundemos nossa adesão ao caminho que ele propôs e percorreu: aceitar a vulnerabilidade para fazer-se próximo, não perder a vida correndo atrás de ambições vazias mas entregá-la livremente para que todos vivam melhor. Jesus já havia dito: “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu permaneço nele.” (Jo 6,56)
Jesus de Nazaré, videira verdadeira: sem a seiva da tua palavra morremos de anemia; sem a força que vem de ti, produzimos apenas frutos poucos e amargos. Por isso, dá-nos teu Espírito e sustenta-nos no amor fraterno e solidário aos nossos irmãos e irmãs. Recria tua Igreja na comunhão de carismas e ministérios. Alimenta-nos com a tua santa Seiva e suscita apóstolos destemidos, como aqueles da primeira hora. Sustenta-nos unidos a ti e, ao mesmo tempo, criativos e perseverantes na missão. É isso que te pedimos hoje, desejosos de que tua Palavra permaneça em nós e nós permaneçamos no teu amor. Amém! Assim seja!
 Itacir Brassiani msf
(Atos dos Apóstolos 9,26-31 * Salmo 21 22) * 1ª Carta de S. João 3,18-24 * Evangelho de São João 15,1-8)

sábado, 21 de abril de 2018

Reflexão do Papa Francisco para o domingo das Vocações


Escutar, discernir, e viver o chamado do Senhor.
MENSAGEM DO PAPA FRANCISCO PARA O 55º DIA MUNDIAL DE ORAÇÃO PELAS VOCAÇÕES

Queridos irmãos e irmãs!
No próximo mês de outubro, vai realizar-se a XV Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, que será dedicada aos jovens, particularmente à relação entre jovens, fé e vocação. Nessa ocasião, teremos oportunidade de aprofundar como, no centro da nossa vida, está a chamada à alegria que Deus nos dirige, constituindo isso mesmo «o projeto de Deus para os homens e mulheres de todos os tempos».
Trata-se duma boa notícia, cujo anúncio volta a ressoar com vigor no 55.º Dia Mundial de Oração pelas Vocações: não estamos submersos no acaso, nem à mercê duma série de eventos caóticos; pelo contrário, a nossa vida e a nossa presença no mundo são fruto duma vocação divina.
Também nestes nossos agitados tempos, o mistério da Encarnação lembra-nos que Deus não cessa jamais de vir ao nosso encontro: é Deus conosco, acompanha-nos ao longo das estradas por vezes poeirentas da nossa vida e, sabendo da nossa pungente nostalgia de amor e felicidade, chama-nos à alegria. Na diversidade e especificidade de cada vocação, pessoal e eclesial, trata-se de escutar, discernir e viver esta Palavra que nos chama do Alto e, ao mesmo tempo que nos permite pôr a render os nossos talentos, faz de nós também instrumentos de salvação no mundo e orienta-nos para a plenitude da felicidade.
Estes três aspetos (escuta, discernimento e vida) servem de moldura também ao início da missão de Jesus: passados os quarenta dias de oração e luta no deserto, visita a sua sinagoga de Nazaré e, aqui, põe-Se à escuta da Palavra, discerne o conteúdo da missão que o Pai Lhe confia e anuncia que veio realizá-la «hoje» (cf. Lc 4, 16-21).
Escutar
O chamado do Senhor não possui a evidência própria de uma das muitas coisas que podemos ouvir, ver ou tocar na nossa experiência diária. Deus vem de forma silenciosa e discreta, sem Se impor à nossa liberdade. Assim pode acontecer que a sua voz fique sufocada pelas muitas inquietações e solicitações que ocupam a nossa mente e o nosso coração.
Por isso, é preciso preparar-se para uma escuta profunda da sua Palavra e da vida, prestar atenção aos próprios detalhes do nosso dia-a-dia, aprender a ler os acontecimentos com os olhos da fé e manter-se aberto às surpresas do Espírito.
Não poderemos descobrir o chamado especial e pessoal que Deus pensou para nós, se ficarmos fechados em nós mesmos, nos nossos hábitos e na apatia de quem desperdiça a sua vida no círculo restrito do próprio eu, perdendo a oportunidade de sonhar em grande e tornar-se protagonista daquela história única e original que Deus quer escrever conosco.
Jesus também foi chamado e enviado; por isso, precisou de Se recolher no silêncio, escutou e leu a Palavra na Sinagoga e, com a luz e a força do Espírito Santo, desvendou em plenitude o seu significado relativamente à sua própria pessoa e à história do povo de Israel.
Hoje essa atitude vai se tornando cada vez mais difícil, imersos como estamos numa sociedade rumorosa, na abundância frenética de estímulos e informações. À dispersão exterior corresponde frequentemente uma dispersão e confusão interior, que não nos permite parar, provar o gosto da contemplação, refletir com serenidade sobre os acontecimentos da nossa vida e realizar um profícuo discernimento, confiados no desígnio amoroso de Deus a nosso respeito.
Discernir
Na sinagoga de Nazaré, ao ler a passagem do profeta Isaías, Jesus discerne a missão para a qual foi enviado e apresenta-a aos que esperavam o Messias: «O Espírito do Senhor está sobre Mim; porque Me ungiu para anunciar a Boa-Nova aos pobres; enviou-Me a proclamar a libertação aos cativos e, aos cegos, a recuperação da vista; a mandar em liberdade os oprimidos, a proclamar o ano favorável da parte do Senhor» (Lc 4, 18-19).
De igual modo, cada um de nós só pode descobrir a sua própria vocação através do discernimento espiritual, um «processo pelo qual a pessoa, em diálogo com o Senhor e na escuta da voz do Espírito, chega a fazer as opções fundamentais, a começar pela do seu estado da vida».
Descobrimos que a vocação cristã tem sempre uma dimensão profética. Como nos atesta a Escritura, os profetas são enviados ao povo, em situações de grande precariedade material e de crise espiritual e moral, para lhe comunicar em nome de Deus palavras de conversão, esperança e consolação. Como um vento que levanta o pó, o profeta perturba a falsa tranquilidade da consciência que esqueceu a Palavra do Senhor, discerne os acontecimentos à luz da promessa de Deus e ajuda o povo a vislumbrar, nas trevas da história, os sinais duma aurora.
Também hoje temos grande necessidade do discernimento e da profecia, de superar as tentações da ideologia e do fatalismo e de descobrir, no relacionamento com o Senhor, os lugares, instrumentos e situações através dos quais Ele nos chama. Todo o cristão deveria poder desenvolver a capacidade de ler a vida por dentro e identificar onde e para quê o Senhor o está chamando a fim de ser continuador da sua missão.
Viver
Por último, Jesus anuncia a novidade da hora presente, que entusiasmará a muitos e endurecerá a outros: cumpriu-se o tempo, sendo Ele o Messias anunciado por Isaías, ungido para libertar os cativos, devolver a vista aos cegos e proclamar o amor misericordioso de Deus a toda a criatura. Precisamente «cumpriu-se hoje – afirma Jesus – esta passagem da Escritura que acabais de ouvir» (Lc 4, 20).
A alegria do Evangelho, que nos abre ao encontro com Deus e os irmãos, não pode esperar pelas nossas lentidões e preguiças; não nos toca, se ficarmos debruçados à janela, com a desculpa de continuar à espera dum tempo favorável; nem se cumpre para nós, se hoje mesmo não abraçarmos o risco duma escolha. A vocação é hoje! A missão cristã é para o momento presente! E cada um de nós é chamado (à vida laical, à vida sacerdotal ou à vida de especial consagração) para se tornar testemunha do Senhor, aqui e agora.
Realmente este «hoje» proclamado por Jesus assegura-nos que Deus continua a «descer» para salvar esta nossa humanidade e fazer-nos participantes da sua missão. O Senhor continua ainda a chamar para viver com Ele e segui-Lo numa particular relação de proximidade ao seu serviço direto. E, se fizer intuir que nos chama a consagrar-nos totalmente ao seu Reino, não devemos ter medo. É belo, e uma grande graça, estar inteiramente e para sempre consagrados a Deus e ao serviço dos irmãos!
O Senhor continua hoje a chamar para segui-lo. Não podemos esperar ser perfeitos para dar como resposta o nosso generoso «eis-me aqui», nem assustar-nos com as nossas limitações e pecados, mas acolher a voz do Senhor com coração aberto. Escutá-la, discernir a nossa missão pessoal na Igreja e no mundo e, finalmente, vivê-la no «hoje» que Deus nos concede.
Maria Santíssima, a jovem menina de periferia que escutou, acolheu e viveu a Palavra de Deus feita carne, nos guarde e sempre acompanhe no nosso caminho.
Franciscus

sexta-feira, 20 de abril de 2018

O Evangelho dominical - 22.04.2018


PROCURAR A PARTIR DO INTERIOR

Não se pode desenhar programas ou técnicas que conduzam automaticamente até Deus. Não há métodos para encontrar-se com Ele de forma segura. Cada um terá de seguir o Seu próprio caminho, pois cada um tem a sua forma de abrir-se ao mistério de Deus. No entanto, nem tudo favorece em igual medida o despertar da fé.
Há pessoas que nunca falam de Deus com ninguém. É um tema tabu. Deus pertence ao mundo do privado. Mas tampouco pensam Nele, nem o recordam na intimidade da sua consciência. Esta atitude, bastante frequente inclusive entre quem se diz crente, conduz quase sempre ao enfraquecimento da fé. Quando algo nunca se recorda, termina morrendo por esquecimento e inanição.
Há, pelo contrário, pessoas que parecem interessar-se muito pela questão religiosa. Gostam de colocar questões sobre Deus, a criação, a Bíblia... Fazem perguntas e mais perguntas, mas não esperam a resposta. Não parece interessar-lhes. Naturalmente, todas as palavras são vãs se não há uma busca sincera de Deus no nosso interior. O importante não é falar de «coisas de religião», mas arranjar um lugar para Deus na própria vida.
Outros gostam de discutir sobre religião. Não sabem falar de Deus se não para defender a sua própria posição e atacar a contrária. De fato, muitas discussões sobre temas religiosos não fazem senão favorecer a intolerância e o endurecimento de posições. No entanto, quem procura sinceramente a Deus escuta a experiência de quem acredita Nele e inclusive de quem o abandonou. Tenho de encontrar o meu próprio caminho, mas interessa-me saber onde os outros encontram sentido, alento e esperança para enfrentar-se com a existência.
Em qualquer caso, o mais importante para nos orientarmos para Deus é invocá-lo no segredo do coração, a sós, na intimidade da própria consciência. É aí onde um se abre confiadamente ao mistério de Deus ou onde se decide viver só, de forma ateia, sem Deus. Alguém me dirá: “Mas como posso eu invocar a Deus se não creio Nele nem estou seguro de nada?” Pode-se. Essa invocação sincera no meio da escuridão e das dúvidas é, provavelmente, um dos caminhos mais puros e humildes para abrirmo-nos ao Mistério e sermos sensíveis à presença de Deus no fundo do nosso ser.
O quarto evangelho recorda-nos que há ovelhas que “não são do redil” e vivem longe da comunidade crente. Mas Jesus diz: “Também a estas, as tenho que atrair, para que escutem a Minha voz.” Quem procura a Deus com verdade, escuta, mais cedo ou mais tarde, esta atração de Jesus no fundo do seu coração. Primeiro com reservas talvez, logo com mais fé e confiança, um dia com alegria profunda.
José Antônio Pagola
Tradução de Antônio Manuel Álvarez Perez

quinta-feira, 19 de abril de 2018

ANO B – QUARTO DOMINGO DA PÁSCOA – 22.04.2018


As diversas vocações expressam o amor do bom pastor.
A Igreja católica dedica o quarto domingo da páscoa à reflexão e oração pelas vocações. Nesta perspectiva é que recordamos que Jesus, crucificado e ressuscitado, é o pastor bom e exemplar, aquele que oferece livremente sua vida pelo rebanho que ama. É um pastor que não se preocupa com a própria carreira, mas com a vida dos que que sofrem, e até com o destino dos que não fazem parte do seu rebanho. O denominador comum das pessoas chamadas a seguir Jesus e continuar sua missão, qualquer que seja sua vocação, é a compaixão. Mas o Papa adverte: “Não poderemos descobrir o chamado pessoal de Deus se ficarmos fechados em nós mesmos.”
Uma das mais belas imagens que o povo de Israel usou para falar de Deus e da sua relação conosco é a metáfora do pastor. Essa imagem ressalta vários aspectos da relação entre Deus o seu povo: a) Deus é como um pastor porque apascenta e guia seu o povo; b) Ele providencia o que é necessário para a vida do seu povo-rebanho; c) Ele também defende as ovelhas fracas e procura pessoalmente as ovelhas perdidas até encontrá-las; d) Finalmente, Deus trata seu povo-rebanho com ternura e amizade, gratuidade e paciência, e com ele faz aliança especial.
Ao lado da imagem de Jesus como Mestre, os evangelhos nos apresentam claramente Jesus como o Bom Pastor vislumbrado antecipadamente pelo povo de Israel. Sua vida é uma cotidiana realização do amor pastoral: ele tem compaixão das multidões porque estão cansadas e abatidas, como ovelhas sem pastor (Mt 9,35-36); ele procura as ovelhas dispersas e em situação de risco, como as mulheres, os doentes e pecadores marginalizados (Mt 18,12-14); ele festeja o reencontro, e diz que é maior sua alegria por um marginalizado resgatado que por noventa e nove que se consideram perfeitos (Lc 15,3-7).
No evangelho de hoje, apresentando-nos Jesus como bom pastor, João tem presente sua vida e suas ações concretas. Jesus é bom e excelente como o vinho abundante servido nas bodas de Caná. Ele é bom e porque não é mercenário: não foge nem esmorece diante das perseguições, mas arrisca sua vida para que os mais fracos tenham plenas condições de vida. Mas ele é o Pastor bom e excelente também porque estabelece um relacionamento próximo e personalizado com seu povo, bem diferente de um herói ou benfeitor distante, incapaz de se misturar com as pessoas comuns.
Jesus é o Bom Pastor porque conhece cada pessoa pelo nome, por mais simples que seja. Ele ouve seus clamores e conhece seus sofrimentos, desce para defendê-las e fazê-las subir (cf. Ex 3,7-10). Ele não veio nem vive para fundar uma instituição, mas para reunir as pessoas dispersas. É o pastor bom e exemplar porque não se orienta por fanatismos exclusivistas, não se detém nas cercas ou muros religiosos, nacionais, étnicos ou de classe... “Tenho também outras ovelhas que não são deste curral. Também a elas devo conduzir. Elas ouvirão a minha voz e haver um só rebanho e um só pastor.”
Pedro e João demonstram que aprenderam do Mestre o que significa ser um pastor bom. Eles não dão as costas ao paralítico que depende de esmolas: voltam a ele o olhar e o convidam a caminhar com as próprias forças. Não se trata do poder de fazer milagres, mas da coragem de enfrentar a inércia do templo, que não faz mais que manter e reforçar a dependência e a inferioridade das pessoas. Por essa ousadia, os apóstolos acabam sendo presos, mas, assim que são libertados, continuam afirmando que é em nome de Jesus de Nazaré, daquele que as autoridades condenaram, que o paralítico foi curado.
Em Jesus e nos seus discípulos temos o paradigma de todas as vocações. Precisamos sim pedir ao dono do campo que chame mais gente para seu trabalho, mas não esqueçamos de pedir também que eles sejam pastores e pastoras inspirados no Bom Pastor. Para que servem vocações que conhecem apenas dogmas e leis e ignoram as necessidades concretas do rebanho? Qual é o valor de um clero e de uma vida consagrada que matou o gérmen da profecia e se deixa seduzir pela carreira e pela comodidade, que se preocupa mais consigo mesmos que que as necessidades do rebanho?
Jesus Amigo, bom e belo pastor. Tu nos conheces, nos amas e nos chamas pelo nome para que sejamos parecidos contigo, filhos do teu coração, amigo dos teus amigos, continuadores da tua missão. Com a vida e com a Palavra, nos ensinas que onde há amor sem fronteiras também há vida sem limites. De ti aprendemos que, para viver plenamente, precisamos fazer-nos dom e identificar-nos com teu e nosso Pai. Faz de nossas famílias e comunidades eclesiais verdadeiras sementeiras de gente capaz de amar e servir como tu amas e serves, tratando os últimos da sociedade como primeiros do Reino. Assim seja! Amém!
 Itacir Brassiani msf
(Atos dos Apóstolos 4,8-12 * Salmo 117 (118) * 1ª Carta de  São João 3,1-2 * Evangelho de São João 10,11-18)

sexta-feira, 13 de abril de 2018

O Evangelho dominical - 15.04.2018


TESTEMUNHAS
Lucas descreve o encontro do Ressuscitado com os Seus discípulos como uma experiência fundadora. O desejo de Jesus é claro. A Sua tarefa não terminou na cruz. Ressuscitado por Deus depois da Sua execução, toma contato com os Seus para colocar em marcha um movimento de «testemunhas» capazes de contagiar todos os povos a Sua Boa Nova: «Vós sois as Minhas testemunhas».
Não é fácil converter em testemunhas aqueles homens afundados no desconcerto e no medo. Ao longo de toda a cena, os discípulos permanecem calados, em silêncio total. O narrador só descreve o seu mundo interior: estão cheios de terror; só sentem perturbação e incredulidade; tudo aquilo lhes parece demasiado bonito para ser verdade.
É Jesus quem vai regenerar a sua fé. O mais importante é que não se sintam sós. Sentem-no cheio de vida no meio deles. Estas são as primeiras palavras que hão de escutar do Ressuscitado: «A paz esteja convosco… Porque surgem dúvidas no vosso interior?».
Quando esquecemos a presença viva de Jesus no meio de nós; quando o ocultamos com os nossos protagonismos; quando a tristeza nos leva a sentir tudo, menos a Sua paz; quando nos contagiamos uns aos outros pessimismo e incredulidade… estamos a pecar contra o Ressuscitado. Assim não é possível uma Igreja de testemunhas.
Para despertar a sua fé, Jesus não lhes pede que olhem o Seu rosto, mas sim as Suas mãos e os Seus pés. Que vejam as Suas feridas de crucificado. Que tenham sempre ante os seus olhos o Seu amor entregue até à morte. Não é um fantasma: «Sou Eu em pessoa». Ele mesmo que conheceram e amaram pelos caminhos da Galileia.
Sempre que pretendemos fundamentar a fé no Ressuscitado com as nossas elucubrações convertemo-lo num fantasma. Para nos encontrarmos com Ele temos de recorrer ao relato dos evangelhos; descobrir essas mãos que abençoam os doentes e acariciavam as crianças, esses pés cansados de caminhar ao encontro dos mais esquecidos; descobrir as Suas feridas e a Sua paixão. É esse Jesus o que agora vive ressuscitado pelo Pai.
Apesar de os ver cheios de medo e de dúvidas, Jesus confia nos Seus discípulos. Ele mesmo lhes enviará o Espírito que os sustentará. Por isso lhes encomenda que prolonguem a Sua presença no mundo: «Vós sois testemunhas destas coisas». Não têm de ensinar doutrinas sublimes, mas sim contagiar a Sua experiência. Não têm de pregar grandes teorias sobre Cristo, mas sim irradiar o Seu Espírito. Têm de mostrar credível com a sua própria vida, não só com palavras. Este é sempre o verdadeiro problema da Igreja: a falta de testemunhas.
José Antônio Pagola
Tradução de Antônio Manuel Álvarez Perez

ANO B – TERCEIRO DOMINGO DA PÁSCOA – 15.04.2018


A fé na ressurreição fortalece o compromisso com a missão.
Continuamos caminhando à luz de Jesus Cristo, o santo e justo preso ilegalmente e assassinado, depois descoberto e experimentado vivo e ressuscitado pela comunidade dos discípulos. As celebrações de cada domingo nos ajudam a ajuntar, pouco a pouco, os fragmentos das diversas experiências e recompor um mosaico capaz de ilustrar como Jesus ressuscitado se manifesta e onde se deixa encontrar. Mas as escrituras revelam também as dificuldades que enfrentamos para organizar nossa vida a partir de um Deus crucificado e assimilar as exigências que essa fé traz consigo.
Me impressiona muito a diferença entre a atitude dos discípulos nos primeiros dias após a crucifixão e ressurreição de Jesus e nas cenas descritas pelos Atos dos Apóstolos. A cena do Evangelho de hoje ocorre depois do testemunho das mulheres e da comprovação por parte de Pedro de que a sepultura estava vazia (Lc 24,1-12); depois da manifestação de Jesus aos dois discípulos na estrada de Emaús e na partilha do pão (Lc 24,13-35); e depois da aparição a Pedro (Lc 24,34). Apesar disso, a nova manifestação de Jesus os espanta, e eles têm dificuldade de acreditar. Como entender essa reação?
A cruz é a verdadeira pedra na qual os discípulos tropeçam. Para eles, é difícil conjugar a ideia de um Deus que se caracteriza pelo poder e pelo saber com um homem que grita impotente e morre abandonado na cruz. Dizer que Jesus não é o Messias, mas um profeta fracassado, ou pensar que Jesus é mesmo o Messias mas a cruz foi um faz de conta é uma saída fácil, mas também frágil. Ainda hoje muitos cristãos preferem um Cristo vitorioso e glorioso. No máximo, aceitam que ele passou pela cruz, mas muito rapidamente, e seu sacrifício foi compensado pela imensa glória que depois recebeu do Pai...
A ressurreição de Jesus não pode ser vista apenas como uma espécie de prêmio que o Pai dá ao Filho obediente e sofredor. O que se afirma com a ressurreição de Jesus é algo bem mais sério e mais profundo que a simples ressurreição dos cadáveres. Aquele que ressuscitou não é alguém que morreu com idade avançada num hospital de primeira classe, rodeado de familiares e amigos. O ressuscitado é Jesus de Nazaré, aquele que resgatou a dignidade dos excluídos e foi condenado injustamente, por um conluio de autoridades religiosas e políticas, como vimos se repetir nos últimos dias aqui no Brasil, com outro personagem. Ressuscitando-o Deus confirma a validade e a justeza da causa que o levou à morte.
Diante do espanto e da perturbação dos discípulos, Jesus mostra-lhes as chagas nas mãos e nos pés e pede para que as toquem. Com isso, Jesus quer sublinhar a continuidade do amor que o levou a abraçar a cruz. As feridas nas mãos e nos pés do corpo ressuscitado são o sinal eloquente de que Jesus é fiel e se tornou nosso advogado de defesa, como diz São João. Ele não é fruto da fantasia de um grupo de discípulos, e chega instaurando uma paz verdadeira.  Para evitar qualquer fantasia, Jesus pede algo para comer, recebe um peixe e o come diante dos discípulos tão alegres quanto espantados.  
Ancorado na fé em Jesus Cristo, Pedro curou e devolveu a dignidade a um miserável paralítico. E diante do assombro da multidão que acorria ao templo, proclama: “A fé em Jesus deu saúde perfeita a esse homem que está na presença de todos vocês.” Os cristãos dão testemunho da ressureição de Jesus à medida em que se deixam guiar pelo dinamismo que animou e deu sentido à sua vida: o amor ao próximo, o serviço solidários aos últimos. Esse é o mandamento e o testamento de Jesus, e “quem diz que conhece a Deus mas não cumpre seus mandamentos é mentiroso”, diz João.
Na sua manifestação aos discípulos, Jesus abre-lhes a inteligência para que compreendam as escrituras. Não se trata de uma longa e completa catequese bíblica, mas de um esclarecimento sobre a imagem de Messias: seu caminho se desvia do poder e da impassibilidade e passa pela aceitação do sofrimento solidário e, em seu nome, as pessoas serão convocadas à conversão e perdoadas. Não é possível adentrar no sentido da ressurreição se não nos movemos num horizonte de esperança, se não aceitamos a possibilidade de uma transformação profunda de todas as coisas, já em curso.
Jesus de Nazaré, Servidor da humanidade e Aurora da liberdade: sabemos que em ti começamos a vencer a morte nas suas expressões mais terríveis, mas temos consciência que a luta continua. Abre nossa inteligência para vivermos como ressuscitados, com olhos abertos às chagas das pessoas que continuam sofrendo e às iniciativas solidárias que ocorrem fora das nossas Igrejas. Faz com que nossa esperança na ressurreição corte pela raiz as tentativas de reduzir o cristianismo a um exercício intelectual ou à aceitação de um conjunto de dogmas e preceitos. Assim seja! Amém!
 Itacir Brassiani msf
(Atos dos Apóstolos 3,13-19 * Salmo 4 * 1ª Carta de João 2,1-5 * Evangelho de São Lucas 24,35-48)

quinta-feira, 5 de abril de 2018

O Evangelho dominical - 08.04.2018


AGNÓSTICOS?
Poucos nos ajudaram tanto como Christian Chabanis a conhecer a atitude do homem contemporâneo ante Deus. As suas famosas entrevistas são um documento imprescindível para saber o que pensam hoje os cientistas e os pensadores mais reconhecidos acerca de Deus.
Chabanis confessa que, quando iniciou as suas entrevistas aos ateus mais prestigiosos dos nossos dias, pensava encontrar neles um ateísmo rigoroso e bem fundamentado. Na realidade encontrou-se com que, detrás de graves profissões de lucidez e honestidade intelectual, escondia-se com frequência «uma absoluta ausência de procura da verdade».
Não surpreende a constatação do escritor francês, pois algo semelhante sucede entre nós. Grande parte dos que renunciam a acreditar em Deus fazem-no sem ter iniciado nenhum esforço para procura-Lo. Penso sobre tudo em tantos que se confessam agnósticos, por vezes de forma ostensiva, quando na realidade estão muito longe de uma verdadeira postura agnóstica.
O agnóstico é uma pessoa que se coloca o problema de Deus e, ao não encontrar razões para acreditar Nele, suspende o julgamento. O agnosticismo é uma procura que termina em frustração. Só depois de ter procurado adopta o agnóstico a sua postura: «Não sei se existe Deus. Eu não encontro razões nem para acreditar Nele nem para não acreditar».
A postura mais generalizada hoje consiste simplesmente em desentender-se da questão de Deus. Muitos dos que se chamam agnósticos são, na realidade, pessoas que não procuram. Xavier Zubiri diria que são vidas «sem vontade de verdade real». Resulta-lhes indiferente que Deus exista ou não exista. É-lhes igual que a vida termine aqui ou não. A eles é suficiente com «deixar-se viver», abandonar-se «ao que fosse», sem aprofundar no mistério do mundo e da vida.
Mas, é essa a postura mais humana ante a realidade? Poderá apresentar-se como progressista uma vida em que está ausente a vontade de procurar a verdade última da nossa vida? Pode-se afirmar que essa é a única atitude legítima de tudo? Pode-se afirmar que é essa a única atitude legítima de honestidade intelectual? Como pode alguém saber que não é possível acreditar se nunca se procurou Deus?
Querer manter-se nessa «postura neutral» sem decidir-se a favor ou contra da fé é já tomar uma decisão. A pior de todas, pois equivale a renunciar a procurar uma aproximação ao mistério último da realidade.
A postura de Tomé não é a de um agnóstico indiferente, mas a de quem procura reafirmar a sua fé na própria experiência. Por isso, quando se encontra com Cristo, abre-se confiadamente a Ele: «Senhor meu e Deus meu». Quanta verdade encerram as palavras de Karl Rahner: «É mais fácil deixar-se afundar no próprio vazio que no abismo do mistério santo de Deus, mas não supõe mais coragem nem tampouco mais verdade. Em todo o caso, esta verdade resplandece se se a ama, se a aceita e se a vive como verdade que liberta».
José Antônio Pagola
Tradução de Antônio Manuel Álvarez Perez

ANO B – SEGUNDO DOMINGO DA PÁSCOA – 08.04.2018


Quem crê, vê mais longe, vê com o olhar de Deus.
A experiência e a fé na ressurreição de Jesus Cristo é gerada em ritmo de missão. Por isso, as portas da Igreja não podem permanecer fechadas, especialmente por medo ou por comodismo. A paz oferecida pelo Senhor ressuscitado que, sem perder as feridas abertas nas mãos e nos pés, se faz presente no meio de nós, nos envia como cordeiros que carregam o pecado do mundo. “Assim como o Pai me enviou, eu envio vocês.” Mesmo sem tocar nas mãos feridas do Cristo ressuscitado, reforcemos nossos vínculos com a comunidade, reconheçamo-lo presente nos irmãs e irmãos nossos e partamos em missão.
João sublinha que era noite e que as portas estavam muito bem fechadas. Os discípulos estavam desanimados, amedrontados e sem perspectivas. É o mesmo escuro pavoroso que eles haviam experimentado quando atravessaram sozinhos o mar agitado, depois que Jesus saciara a fome de uma multidão e recusara o poder político (cf. Jo 6,16-21). Esse escuro tenebroso lembra também a escuridão que se fez às três horas da tarde, quando Jesus fora crucificado. Ao medo da possível perseguição pelas autoridades judaicas se juntava a frustração pela imagem de um Messias crucificado...
Dói na consciência dos discípulos a traição, a negação e a deserção no caminho da cruz. Por isso eles não formam exatamente uma comunidade, mas um grupo rachado, frustrado, envergonhado. Porém, o remorso e medo não são muros que impedem a manifestação de Jesus. Jesus se faz presente inesperadamente no meio daquele grupo desarticulado, e sua primeira palavra não é de advertência ou acusação, mas de acolhida e pacificação: “A paz esteja com vocês!” E lhes mostra as feridas nas mãos e no lado esquerdo, assegurando que sua história concreta é importante, que sua presença não é mera fantasia e que seu amor fiel e solidário continua.
A alegria, tão característica da Páscoa, não brota apenas da certeza de que ressuscitaremos um dia, mas também da experiência atual e cotidiana de não sermos condenados, de sermos aceitos como amigos e amigas de Jesus de Nazaré, apesar dos nossos insuperáveis limites, traições e deserções. Mas a alegria e a paz radiante da Páscoa podem esconder um risco: podemos ficar de tal modo extasiados com as imagens de anjos e com as palavras de paz, pela visão de um Cristo exaltado e sentado à direita do Pai, que podemos esquecer que nossa missão de discípulos está apenas começando.
Por isso, depois de afirmar que vem trazer a paz, Jesus confere claramente uma missão aos discípulos: “Assim como o Pai me enviou, eu também envio vocês”. Trata-se de continuar seu próprio trabalho de carregar nas costas a dor e o peso provocados pelo pecado do mundo. É como se ele nos confiasse a tarefa de lixeiros, de passar pelas estradas e campos recolhendo as imundícies produzidas pela cultura egoísta e violenta. É a missão de sermos os cordeiros de Deus que tiram o pecado do mundo. E esta missão urge, não pode ser postergada para um hipotético amanhã, para quando tivermos tempo.
Esta missão também não pode ser terceirizada ou deixada à responsabilidade dos outros. Jesus Cristo diz claramente que o pecado que não eliminarmos permanecerá aqui, diminuindo e ferindo a vida de muita gente e garantindo o privilégio de poucos. Pois o pecado é a cumplicidade com a injustiça que fere as criaturas, e perdoar significa dissolver os laços que vinculam as pessoas a essa cumplicidade, torná-las livres frente à necessidade de cada um cuidar de si e deixar a Deus o cuidado dos mais fracos. Jesus pede que as comunidades cristãs sejam espaços de amor mútuo e de luta pela justiça.
Tendo recebido o Espírito Santo, os discípulos, antes desanimados e medrosos, tiveram a coragem de inovar e a força para perseverar no ensinamento dos apóstolos a respeito da vida e da ação de Jesus de Nazaré; na união fraterna, para além de todas as fronteiras; na partilha do pão e de todos os bens; na oração e na liturgia. É assim eles dão testemunho da ressurreição de Jesus Cristo. Abraçar a fé em Jesus Cristo ressuscitado nos vincula aos irmãos e irmãs, à partilha dos bens “conforme a necessidade de cada um”, à alegria radiante frente a cada acontecimento, à simplicidade profunda e cordial.
Aqui viemos, Jesus de Nazaré, Cordeiro de Deus, para encontrar as pessoas que acreditam em ti, para tocar tuas chagas e acolher de novo teu mandato missionário. Dá-nos tua paz, e envia sobre nós teu Espírito, a fim de que não nos cansemos de carregar o pecado do mundo e experimentemos a felicidade de crer para ver, de acreditar apoiados no testemunho de vida dos outros, de fazer da nossa vida um serviço os irmãos e irmãs. Vem em nosso auxílio para não darmos as costas à comunidade dos homens e mulheres de boa vontade, pois sem ela não conseguimos te reconhecer. Amém! Assim seja!
 Itacir Brassiani msf
 (Atos dos Apóstolos 4,32-35 * Salmo 117 (118) * 1ª Carta de  São João 5,1-6 * Evangelho de São João 20,19-31)

sábado, 31 de março de 2018

O Evangelho dominical - Páscoa - 01.04.2018


MISTÉRIO DA ESPERANÇA
Acreditar no Ressuscitado é resistir a aceitar que a nossa vida é só um pequeno parêntesis entre dois imensos vazios. Apoiando-nos em Jesus ressuscitado por Deus intuímos, desejamos e acreditamos que Deus está conduzindo para a sua verdadeira plenitude o anseio da vida, de justiça e de paz que se encerra no coração da humanidade e em toda a criação.
Acreditar no Ressuscitado é rebelar-nos com todas as nossas forças a que essa imensa maioria de homens, mulheres e crianças que só conheceram nesta vida miséria, humilhação e sofrimento fiquem esquecidos para sempre. Acreditar no Ressuscitado é confiar numa vida onde já não haverá pobreza nem dor, ninguém estará triste, ninguém terá de chorar. Por fim poderemos ver aos que vêm em barcaças chegar à sua verdadeira pátria.
Acreditar no Ressuscitado é aproximar-nos com esperança de tantas pessoas sem saúde, doentes crônicos, incapacitados físicos e psíquicos, pessoas afundadas na depressão, cansadas de viver e de lutar. Um dia conhecerão o que é viver com paz e saúde total. Escutarão as palavras do Pai: “Entra para sempre na alegria do teu Senhor”.
Acreditar no Ressuscitado é não nos resignarmos a que Deus seja para sempre um Deus oculto de que não possamos conhecer o Seu olhar, a Sua ternura e os Seus abraços. Iremos encontrá-Lo encarnado para sempre gloriosamente em Jesus. Acreditar no Ressuscitado é confiar que os nossos esforços por um mundo mais humano e ditoso não se perderão no vazio. Um dia feliz, os últimos serão os primeiros e as prostitutas nos precederão no reino.
Acreditar no Ressuscitado é saber que tudo o que aqui ficou a meio, o que não pode ser, o que temos estragado com a nossa ignorância ou o nosso pecado, tudo alcançará em Deus a sua plenitude. Nada se perderá do que vivemos com amor ou ao que renunciamos por amor.
Acreditar no Ressuscitado é esperar que as horas alegres e as experiências amargas, as marcas que temos deixado nas pessoas e nas coisas, o que temos construído ou temos desfrutado generosamente, ficará transfigurado. Já não conheceremos a amizade que termina, a festa que se acaba nem a despedida que entristece. Deus será tudo em todos.
Acreditar no Ressuscitado é acreditar que um dia escutaremos estas incríveis palavras que o livro do Apocalipse coloca na boca de Deus: “Eu sou a origem e o final de tudo. O que tenha sede Eu lhe darei grátis do manancial de água da vida. Já não haverá morte nem haverá choro, não haverá gritos nem fadigas, porque tudo isso terá passado”.
José Antônio Pagola
Tradução de Antônio Manuel Álvarez Perez

ANO B – TRÍDUO PASCAL: PÁSCOA DE JESUS – 01.04.2018


“Eu creio num mundo novo, pois Cristo ressuscitou!”
Chegamos à festa que preparamos com tanto empenho nas últimas seis semanas. Trazemos em nós a memória agradecida da aliança realizada na última ceia e nas muitas e solidárias ceias penúltimas. Trazemos nos olhos o sinal luminoso das mãos perfuradas e dos braços abertos em forma de cruz, prontos a abraçar a humanidade inteira. Partilhamos com Madalena o vazio de uma ausência querida. Trazemos na mente e no ventre o trabalho das mulheres e homens, comunidades e movimentos que, no escuro da noite, prepararam tecidos e perfumes para não permitir que morram os sutis fios da vida.
A Páscoa celebra o reconhecimento de Jesus – o profeta perseguido e assassinado, o irmão e servidor da humanidade – como Filho de Deus. Proclama que nele Deus vence todas as formas de morte, desde a morte física até a morte progressiva e massiva, resultado das estruturas iníquas e dos poderes despóticos. Anuncia que Jesus, considerado uma pedra sem utilidade e problemática na manutenção do mundo velho, foi considerado por Deus como pedra fundamental da construção de um mundo novo. Afirma que, mesmo que nossa esperança dance na corda bamba, é teimosa e tem futuro.
A Páscoa de Jesus de Nazaré e dos cristãos celebra as milhares de possibilidades escondidas na vida de cada pessoa e na história da humanidade. Afirma que a última palavra não será sempre do discurso frio daqueles que impõem sua injusta ordem e mandam calar os profetas. Proclama que a ação realmente eficaz e grávida de futuro é aquela que estabelece a absoluta superioridade do outro necessitado. Evidencia que a direção certa e o sentido da vida está na atitude permanente de irmandade e serviço, no fazer-se semente de uma outra vida, tão possível quanto urgente.
E essa ressurreição não é algo que se manifesta apenas depois da morte. Paulo nos surpreende afirmando que os cristãos já foram ressuscitados! Ele se refere ao dinamismo pascal do nosso batismo, que possibilita e pede a passagem de uma vida individualista para uma vida plena e solidária. “Procurem as coisas do alto”, exorta Paulo. E isso significa assumir um estilo de vida centrado no amor, no serviço e na partilha, na busca de uma segurança que tenha a justiça como mãe, na superação de todas as formas de violência mediante uma fraternidade lúcida e profunda.  O pecado ainda não perdeu totalmente sua influência, mas está mortalmente ferido, e não domina mais sobre nós.
A ressurreição de Jesus não é algo que se impõe com força de evidência, e não vem acompanhada de manifestações potentes. O dia já havia amanhecido, mas na cabeça de Maria Madalena e dos apóstolos a experiência do fracasso pairava como escuridão. Só muito lentamente eles foram percebendo que os lençóis estendidos não estavam lá para cobrir um morto mas para acolher as núpcias de uma nova aliança de Deus com a humanidade. O sudário sim, depois de cobrir a cabeça de Jesus, agora estava à parte e envolvia totalmente o templo, lugar onde a morte fora tramada e decidida.
Lembremos que a Páscoa de Jesus de Nazaré inaugura uma Nova Criação. Ressuscitando e trazendo no corpo as marcas dos pregos e da lança, ele é o Homem Novo, o Novo Adão, o Irmão primogênito e solidário de todos os homens e mulheres. Os discípulos e discípulas se reúnem em torno da sua memória e organizam comunidades que continuam seu sonho e seu caminho. E as pessoas acolhidas nestas comunidades estabelecem vínculos que formam um Novo Povo de Deus, a comunhão dos grupos e movimentos de servidores, de gente que luta por vida abundante para todos.
Na entusiasmada catequese que desenvolve na casa do pagão Cornélio, Pedro sublinha que Jesus andou por toda parte fazendo o bem e agindo sem medo, apesar da violência que havia levado João Batista à morte. Enfatiza que Deus estava com ele, inclusive no vazio e escuro da cruz, quando parecia havê-lo abandonado. Ensina que Deus o ressuscitou dos mortos, e transformou em juiz aquele que fora réu de morte. E lembra que os discípulos e discípulas, apesar da dificuldade de acreditar nele e da permanente tentação de abandoná-lo, são constituídos testemunhas e pregadores dessa Boa Notícia.
Jesus de Nazaré, filho amado de Deus, irmão querido da humanidade! Aqui estamos reunidos para festejar contigo, para celebrar a festa dos pequenos. É uma festa que não serve os bens roubados aos fracos e não ostenta a indiferença de quem esqueceu que a luta continua. É com alegria que descobrimos que o mistério da vida ressuscitada não é uma mentira, e se dissemina em tantas pessoas e grupos, inclusive naqueles que não te reconhecem explicitamente. Por isso, celebramos nossa páscoa na tua páscoa, e saímos apressados para testemunhar que a vida é mais forte que a morte e que o amor é imortal. Assim seja! Amém!
 Itacir Brassiani msf
(Atos dos Apóstolos 10,34-43 * Salmo 117 (118) Carta aos Colossenses 3,1-4 * Evangelho de João 20,1-19)