quarta-feira, 14 de junho de 2017

ANO A – DÉCIMO-PRIMEIRO DOMINGO DO TEMPO COMUM – 18.06.2017

A compaixão é a origem, o suporte e a meta da missão!
Depois do convite dirigido a Mateus, e depois da confraternização simbólica com os pecadores celebrada na sua casa, Jesus faz uma peregrinação através do santuário das dores e esperanças humanas, anunciando a Boa Notícia do Reino a jovens que morriam antes do tempo; a mulheres vergadas sob o peso de doenças incuráveis; a cegos e mudos mutilados em sua cidadania... Trata-se de uma peregrinação e não de uma viagem turística! Em Jesus, Deus não quis fazer um simples passeio no mundo: ele assumiu a fundo nossa condição humana.
Andando pelos caminhos empoeirados da Galileia, Jesus não tem pressa. Ele vê e contempla a realidade e as pessoas profunda e demoradamente. Ele ousa ver e encarar a realidade humana e social assim como ela é, e seu olhar não tem nada de passividade, e menos ainda de indiferença. É um olhar comprometido e capaz de ver, por traz dos rostos tristes e dos corpos encurvados, as feridas provocadas pelas relações e instituições violentas e opressoras. “Vendo as multidões, Jesus teve compaixão, porque estavam cansadas e abatidas, como ovelhas que não têm pastor.”
O olhar de Jesus não identifica apenas doentes terminais, mortes inexplicáveis ou cegueiras causadas por espíritos maus. Ele não enxerga também apenas uma multidão indiferenciada e anônima. Ele vê gente cansada e abatida, um povo sem líder e sem guia. Um povo cansado é um povo sem esperança e sem ânimo. Um povo abatido é um povo espoliado e defraudado. Um rebanho sem pastor é um coletivo desorientado e indefeso. Para Jesus, o que faltava ao povo não eram autoridades, mas líderes verdadeiros, guias comprometidos com a busca de saídas benéficas ao povo.
Diante do cansaço e do abatimento de um povo humilhado, as entranhas maternas de Deus tremem, e ele revela sua capacidade de sofrer com seus filhos e filhas. Deus rejeita como indigna e pecaminosa toda forma de indiferença frente à dor das suas criaturas. E é esta compaixão que está na origem da missão de Jesus, e a sustenta até o fim. Mas, diante da imensa tarefa de anunciar a Boa Notícia de um Deus misericordioso e de sinalizar sua presença através de ações libertadoras, Jesus se vê pequeno. E a pequena comunidade que o segue também lhe parece insuficiente.
“A colheita é grande e os trabalhadores são poucos...” Usando estas palavras que sublinham a disparidade entre a grandeza da tarefa e a pequenez do seu grupo, Jesus nos estimula a pedir mais colaboradores. Mas oração dirigida ao Pai, ao “dono da colheita”, é o ponto final de um empenho profundo e pessoal para identificar, despertar, motivar e formar homens e mulheres com generosidade suficiente para se engajar na missão de Jesus Cristo.  divide com seus discípulos capazes de compaixão a responsabilidade de curar enfermidades e dissipar espíritos que escravizam as pessoas.
A partir desse modo de ver a realidade, Jesus prossegue estabelecendo uma prioridade aos seus escolhidos: “Vão primeiro às ovelhas perdidas da casa de Israel”. Trata-se de priorizar o povo de Israel, abandonado pelos próprios pastores: doentes, cegos, coxos, loucos, estrangeiros, mulheres, crianças, pecadores... E é por causa dessa prioridade histórica que ele recomenda que eles não entrem na casa dos pagãos e nas cidades dos samaritanos. Seus discípulos não poderiam fazer tudo ao mesmo tempo! Mas, depois dessa prioridade cronológica, virão outros grupos sociais e religiosos necessitados...
Vivemos hoje numa sociedade de comunicação globalizada, e temos clara consciência de que os apelos que solicitam nossa alma missionária são múltiplos e globais. E são desafios maduros, como campos prontos para a colheita, que correm o risco de se perderem. Responder honradamente a estes desafios não é responsabilidade que pode ser assumida apenas por esta ou aquela congregação religiosa, por uma ou outra Igreja cristã. Esta é uma missão que convoca e compromete todos os cristãos, e todos os homens e mulheres de boa vontade, aqueles que tem fome e sede de justiça.
Jesus de Nazaré, primogênito dos humanos e peregrino no santuário das nossas dores e esperanças! Cumprindo a decisão do coração do teu e nosso Pai, não levas em conta nossos limites e os méritos que não temos, e nos tornas amigos de Deus, criaturas novas e reconciliadas. Que prova de amor essa de dar tua vida por nós, sem levar em conta nossos débitos! Ensina-nos a compaixão que comoveu teu coração, abriu teus olhos, afinou teus ouvidos, moveu teus passos, iluminou tua inteligência e fortaleceu tua vontade. E ajuda-nos a permanecer neste caminho, identificando e despertando pessoas de boa vontade que se encantem e se consumam na tarefa de levar adiante tua missão. Assim seja! Amém!

Itacir Brassiani msf
      (Livro do Êxodo 19,1-6 * Salmo 99 (100) * Carta de Paulo aos Romanos 5,6-11 * Evangelho de São Mateus 9,36-10,8)

Nenhum comentário: